Sóbrio ou borracho? | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

Sóbrio ou borracho?

4.8
(16)

Algo que talvez eu escrevesse, numa noite de inverno, neve, desalento e borracheira:

“Alguns ofícios na vida não foram feitos à gestão dos covardes. Apropriei-me, com licença poética, da celebre frase de Sobral Pinto voltada aos advogados, mas que, a rigor, serve para muitas das profissões. Não deveria ser para todas? Sim. Porém é também verdade que alguns covardes (e são muitos deles por aí) acabam por ter sucesso nas suas atividades, ainda que “de soslaio” pela mancha valorativa curricular. A vida é assim, afinal, nem sempre os premiados são efetivamente os merecedores. Merecer, contudo, parece-me meio caminho andado ao sucesso; a sorte é complemento.

Este é um pensamento meu e não espero convencer ninguém a acreditar nele, para deixar bem claro. Também não quero fomentar um debate que, neste momento, não no levará a lugar algum, quando, precisamos claramente tomar um rumo antes que só reste um desfiladeiro à frente. Logo, esqueçamos das filigranas pois é o presente e o futuro que muito preocupam.

Um dos principais ofícios que não foram feitos à gestão dos covarde é o de presidente de clube de futebol. Especificamente, no caso, o de presidente do Sport Club Internacional. Imbuído num sentimento de nostalgia momentânea, lembrei-me do Seu Gorga, um colega dos tempos de repartição pública. Uma mente ativa e altiva, apesar de já beirando os 70 anos. Colorado, daqueles que o tempo desalentou, falava pouco de futebol e do Inter, mas quando o fazia era quase profético: quando o inominável foi eleito pela primeira vez, lançou que não daria certo pois engenheiro não tinha nascido para ser presidente de clube de futebol; para ser presidente de futebol tinha que ter malevolência de advogado ou de profissionais acostumados à cultura do improviso, tais quais os políticos vocacionados e talvez mais dois ou três outros. Engenheiro talvez detenham um mundo que chega a ser exclusivo até demais. O mesmo vale para administrador, que parece ser o ofício (oficial) do nosso presidente atual.

Pois bem. O começo deste post originalmente detinha a seguinte redação: Difícil rotular pessoas sem conhecê-las objetivamente, mas é bem verdade que o Presidente do Sport Club Internacional ao restar eleito no maior pleito da história da instituição deteve para consigo algo que talvez muitos dos seus antecessores nunca tiveram efetivamente: respaldo da torcida. Os sócios que depositaram o voto na sua chapa, dos quais eu me incluo, confiaram não em nomes, mas na promessa de modernização do clube a qual, por razões óbvias, deveria começar no departamento de futebol, afinal, ainda somos um Clube de… futebol!

Sua primeira ação na atividade fim, pós eleito, entretanto, fora definir um vice de futebol que quando esteve imbuído nessa missão, há duas décadas, fracassou. De lá pra cá, assegura-se em cargos e gestões, aparentemente, tão somente pelo peso do sobrenome e pela sombra da grandiosidade que teve seu pai na história do Internacional. É tão pouco, pois, para legitimar sua alçada ao cargo que beira a pieguice. Tal qual aquela que se apegou a torcida quando o nome de Aguirre surgiu como cotado a técnico. 

Difícil rotular pessoas sem conhecê-las, mas é bem verdade que o Presidente do Sport Club Internacional até o presente momento se mostra imbuído em covardia. Só mais um integrante do “Clube da Bolinha”, cujas partes nomeiam-se entre si num projeto que não é de clube, mas de poder ou até mesmo de satisfação pessoal. Faz o que os seu antecessores já fizeram, com um agravante: ajoelhado a um vestiário tomado por perdedores e acomodados. A torcida lhe respaldou a fazer um limpa geral o qual sugeriu ter competência para fazê-lo. Pois, ao sucumbir na primeira encruzilhada, de tantas do caminho, optou pelo destino que é a glória dos inglorificados: a porta dos fundos – do esquecimento e do fracasso.

Tomara que eu esteja errado e que o Presidente cale a minha boca. Retratar-me-ei com galhardia. Neste momento, todavia, temo tão somente pelo pior. Sequer, aliás, sinto-me mais enganado por promessas de campanha, mas sim, um coautor disso tudo, afinal, eu pelo menos tinha o dever de não votar em covarde e ainda assim o fiz.

A culpa disso tudo, portanto, é minha! Supero, pois, a covardia ao admitir”.

 

Afinal, para ser Colorado é melhor estar sóbrio ou borracho?

PS.: Acompanhei, segunda-feira à noite, a reunião do Conselho Deliberativo. Vos digo que ou terminamos com ele, como está, ou ele ainda vai acabar com a instituição.

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

Author: Bruno Costa

Share This Post On