PRA IR MAIS LONGE | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

PRA IR MAIS LONGE

4.8
(20)

Ainda que a esta altura da vida me arrepender do que deixei de fazer não ajudará muito, mas apenas perturbar minha mente velha e já bastante confusa, sou demasiado pesaroso de coisas que não fiz. A principal: devia ter viajado mais, conhecido muitas cidades, vilas, distritos, confins, rincões; enfim. Eu teria sido mais rico com lembranças de locais mesmo que inóspitos, belos ou não.

Só que o episódio da minha vida que marcou a compra do meu primeiro carro, história que penso já ter referido por aqui, foi – por certo – deveras traumático a ponto de eu ficar obcecado por “desejos” consumistas, a maioria ligado a veículos. Adianto: pode até parecer bonito ostentar feitos inúteis como conseguir adquirir determinados carros desejados ainda que (muito) tempo depois, contudo, isso não passa de um devaneio burro.

Por exemplo: botei na cabeça que precisava ter um Monza. Demorei muito pra conseguir e quando aconteceu ainda tive que pegar um a álcool, 1986, com uns sete anos de uso, porém “zerado” pensava eu. Só me deu dor de cabeça. A clássica dificuldade de bater arranque em dia mais fresco eu até tirei de letra perto do resto tudo. Acreditem, tudo aconteceu comigo e aquele carro, a ponto de eu ter de me desfazer do mesmo pouco mais de um ano depois.

O que ainda me irrita até hoje é que uns 3 meses antes de eu praticamente “doar” o veículo, um mentecapto me seguiu por algumas quadras, fazendo-me parar no meio de uma ruazinha em alguma cidade qualquer do interior, querendo me comprar a qualquer custo. Só que eu tinha feito o motor do carro e ele tava andando como novo; me apeguei e não consegui vender. Não tardou para pontos de ferrugem aparecerem nas portas, no melhor estilo “do nada”. O ápice foi a caixa de câmbio que quebrou no começo da rua do supermercado. Sim, eu conheço a história da caixa de um Monza que quebrou, uma só, e o Monza era meu…

Tem coisas que a própria vida afasta de ti e somente os levianos é que gostam de atentar contra o destino. E o pior é que não parei no Monza. Nem o Internacional desiste tão fácil de jogadores inexplicáveis.

Não que Moisés possa ser considerado um Monza, obviamente. No auge de ambos, se é que isso é possível, o histórico Monza por bastante tempo reinou nas ruas e estradas desse país. O lateral esquerdo, por mais força que tenha feito para jogar bem em algum momento, talvez pudesse ser comparado, no máximo, a um Chevette: cativava por vezes, mas continuava sempre a entrar água no porta malas; afora que também gostava de uma ferrugem. Ou seja, irritação constante em detrimento de poucas alegrias.

É claro que minha comparação é boba e sem sentido, mas o Moisés no auge da empolgação da torcida com seu futebol sempre entrega algum gol para o adversário. Ontem, quais e quantos deles começaram ali pelo seu setor?

Vendi o Monza com atraso e perdi dinheiro. Mas ter passado adiante foi talvez o negócio mais lógico de carro que fiz vida. Não iríamos longe eu e o Monza. Assim como, para ir mais longe, o Internacional precisa de jogadores bem melhores que Moisés. Ou pelo menos mais sagazes. Não há como abrir mão de qualquer negócio que surja e envolva seu nome e sua saída do Clube.

É simples, afinal: pra ir mais longe!

 

CURTAS                                                                              

– Falando do jogo, para ir mais longe não dá para empatar com qualquer time. O SP que entrou em campo ontem era um time qualquer;

– É por jogos como este que estamos há 40 e tantos anos sem ganhar um título do nacional. E seguimos contando…;

– Fazer 3 e tomar 3. Em casa. Nem um Monza a álcool parece ser tão perspicaz para ir do céu ao inferno;

– Heitor e Moisés de malas prontas para irem embora. Uma taça para quem deixou o time entrar em campo com 9;

– O tal Benedetto castelhano é a máxima da volta do que nem veio;

– Todos da nossa defesa ontem deixaram a desejar. Todos mesmo. Também o treinador que inventou de tudo para manter Edenilson em campo;

– Daniel tem um dia de Alisson e muitos outros de Muriel. Precisamos falar sobre um goleiro titular;

– Gostava mais de passar raiva com impedimento nas antigas. Era a tônica da arbitragem com essência amadora. Agora com o VAR parece mesmo é incompetência, quiçá má fé. Quiçá ambas!

 

PERGUNTINHA

E o centroavante: mais uma vez vamos ficar chupando dedo?

 

Para viver de Inter só na base do álcool meu bom Povo Vermelho!

PACHECO

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

Author: Nestor Pacheco

Share This Post On