Convicções | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

Convicções

Gosto de convicções, ainda quando estão erradas. Na teoria, a convicção se dá no planejamento, e a partir dela se monta o projeto e firma o objetivo.

Convicção pode dar com os burros n’agua, é possível  apostar em uma certeza e não apenas não se confirmar, como se revelar um grande equívoco. Anderson foi um.

No início do ano, a convicção que imperava no Beira-Rio era a necessidade de fazer o time jogar futebol, assim entendido como a antítese do que estava sendo praticado, na imprensa genericamente denominado balonismo.

A ligação direta é uma estratégia, é uma forma de jogar, pode ser até um esquema, jogar pela segunda bola, pela falta e pela bola parada. Muitos times se consagraram campeões assim, mas não por muito tempo.

Ao que parece, o Beira-Rio viu isso, e entendeu que deveria mudar.

O nome para a mudança, até onde sabemos, veio do vestiário, na figura do papito, apelido carinhoso dos jogadores a Odair, nosso atual treinador.

Ano passado, com a mesma diretoria, vimos dois treinadores tentarem fazer a mesma coisa que nos levou ao rebaixamento, ou, se tentaram diferente, não conseguiram.

Neste ano, a mudança foi clara, mais do que evidente, comentada por todas as pessoas ligadas ao futebol. O Inter tenta sair jogando com a bola, tenta trocar passes e construir jogadas, tenta se movimentar e abrir espaços. Comentei várias vezes a mudança, evidenciando que Pottker fez gols onde pouco andava antes.

Odair, ao receber Patrick, passou a usá-lo aberto pela esquerda, e, com variações, adotou o 4231, com ênfase na linha de 3 meias, um aberto pela direita, um centralizado, outro pela esquerda, embora sem a fixação desses jogadores exclusivamente no corredor, o que se notou pelos acima falados gols de Pottker.

Contra os times mais fracos, o sistema funcionou, mesmo sem alguns resultados, mesmo porque o time reserva seguia insistindo em ligações diretas, o Inter alcançou boas atuações, considerando a mudança e o início de temporada.

Aí veio a série de três grenais. No primeiro, um baile no primeiro tempo, onde a saída de bola do Inter pouco funcionou, por razões já colocadas em outros comentários; mas o fato é que a saída de bola com Patrick pela esquerda, Dourado mais avançado e Dudu pela direita, não funcionou, exceto em uma ou outra estocada de Edenilson e D’Ale.

O segundo tempo foi bem diferente, mas o jogo já poderia estar decidido. Muito mais por postura do que por esquema de jogo, o Inter avançou as linhas e encurralou o adversário, que passou a jogar por chutões.

Aí veio o segundo grenal, e a convicção foi toda por água a baixo, como o resto do time. O que se viu foi uma retranca bem armada, sem nenhuma pretensão de posse de bola e sem nenhuma pretensão de construção de jogadas. A troca de passes era somente entre zagueiros, até que Lomba disparasse um chutão para o cabeceio do gigante Marcinho, na esperança que encontrasse Nico com só dois marcadores. Patrick foi reposicionado como volante defensivo e nosso futebol só apareceu em bolas paradas.

Aí o terceiro grenal, com evidente desespero ante nova derrota, e uma bizarra escalação com 4, isso, quatro, volantes, mesmo que se admita que dois deles estavam abertos nas extremas, mas pouco se viu disso no jogo, que passou mais por um congestionamento do meio e um sem número de tentativas inúteis de lado a lado.

No segundo tempo, com a saída de um volante e colocação de um atacante, com Nico flutuando no ataque, ainda se construiu volume de jogo e presença no campo adversário, mas poucas jogadas.

O que me preocupa destes três últimos jogos, é que jogamos três partidas de forma completamente diferente, e, se dividirmos em 6 tempos de 45 minutos, talvez tenhamos jogado igual apenas os 90 do segundo clássico.

Aí me pergunto, e a tal da convicção? Onde está a bola no chão, troca de passes, construção de jogadas? Compreendo sim que faltavam dois importantes titulares na linha de frente, que, queiram ou não, metem mais medo que seus substitutos, mas e a forma de jogar? Na teoria, os substitutos têm as mesmas características do titular, mas e o esquema de jogo, onde foi?

Ressalvo que jogar diferente, conforme o adversário, tabela ou resultado é uma opção válida como convicção, mas diferente de tudo o que se ouviu antes dos três clássicos e desde o início do ano, quando Odair disse que treinaria um esquema de jogo, e uma segunda opção.

São 20 dias de nova pré-temporada, sonho para o aperfeiçoamento físico, mas primordialmente, 20 dias para confirmar como o Inter vai jogar, e é uma pena que veremos isso só agora.

Author: Mauro loch

Share This Post On