Daledependência | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

Daledependência

Um dos primeiros posts que fiz foi sobre a nossa daledependência, e sigo convicto que isso não mudou, muito embora o nome possa ser outro.

Por um bom tempo acreditamos que o sistema de transição rápida, com jogadores agudos pelas pontas, levaria o time a sonhos mais altos. Vamos lembrar que o primeiro desenho do time tinha Patrick como extrema avançado pela esquerda, mas depois do grenal ocorreu a mudança para o esquema em que o clássico armador não figurava entre os titulares.

A armação, se assim fosse considerada, ficava com o próprio Patrick, nossa revelação, Edenilson e o próprio Nico, ressuscitado com uma sequência de partidas como titular, quando virou figura imprescindível.

Embora todo o sistema sofra, com o tempo, algum desgaste, o modelo adotado pelo Inter tinha prazo curto de validade, e algumas vitórias vieram mais pela pressão do que propriamente a adoção de um sistema de velocidade de trocas rápidas de bola até a finalização.

A capacidade criativa do Inter ficava nos pés de volantes, os dois contratados com bons números de desarmes, e não pela qualidade com que chegavam à frente, por isso a revelação de Patrick. E Nico seguia como uma ilha com a bola nos pés.

Era questão de tempo até o esgotamento do potencial inovador do esquema, porque era inovador apenas em relação ao que o Inter jogava.

Os primeiros reveses vieram, contra times fracos, onde ficou claro que só a pressão e velocidade não seriam suficientes, pelo menos não com esses jogadores. E entrou D’Ale. Mesmo na virada sofrida contra o Sport, ficou claro que a criatividade mudou com a entrada de D’Ale, há muito mais opções.

Por isso entendo que todo time tem sua Daledependência, só muda o nome, que poderia, e deveria ser, qualidadependencia.

O que os times, em geral, precisam, e de qualidade em suas posições chave, e a posição chave é no meio campo. Daledependencia, no Inter, significa a busca da qualidade do passe, do domínio, da finalização, na ocupação de espaços da marcação, e até do pênalti, para aqueles que acham que a cobrança não é sorte, como eu.

Nosso problema é que a qualidade tem ficado restrita, há alguns anos, ao D’Alessandro, acompanhado de jogadores toscos. D’ale cresce na companhia de Nico e até do Patrick antes da queda do rendimento, mas também precisa da velocidade do Edenilson e Iago, e da força de um Fabiano e Moledo.

Meu ponto é que precisamos, novamente, pensar em um time sem D’Ale, mas com tudo aquilo que ele representa, e Camilo não é o que ele representa. Talvez Richard, talvez Sarrafiore, e tenho um profundo sentimento em relação ao talvez, porque queria, no mínimo, negar essa solução, mas a ausência desses jogadores no time principal, mesmo entrando 10 ou 15 minutos, reforça o talvez.

Por isso que meu time é D’Ale e mais dez, não lendo D’Ale como jogador, mas como qualidade, e, cada vez mais gostaria que esse time fosse D’Ale, D’ale mais 9, ou D’Ale, D’Ale, D’Ale, D’Ale mais 7, e assim por diante, sabendo que não teremos 11 D’Ale, no máximo 5, o que já seria fantástico. Sei que quase sempre a qualidade não é 100% em todos os quesitos, e que bons jogadores apresentam falhas em alguns itens,  não em fundamentos, mas o peso da qualidade deve ser sempre maior na principal função do jogador, de modo que o goleiro não seja o melhor finalizador do time.

A montagem de 2019 já está sendo feita, e este post é para isso, para que sejamos bem criteriosos na escolha de nosso time para 2019, pois se 2018 ainda não terminou, 2019 já está bem avançado.

Author: Mauro loch

Share This Post On