ALEMÃO DE NOVO | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

ALEMÃO DE NOVO

4.1
(16)

Achei nossos melhores 35 minutos iniciais, melhor que contra o Flamengo, melhor que contra o Corinthians aqui. Embora não tenha saído o gol, o Inter foi paciente, controlou o jogo, não sofreu risco nenhum, atacou pelos dois lados, construiu jogadas pelos lados, pelo meio, pelo alto, com muita movimentação.

O gol, mero detalhe, não veio na ineficiência dos atacantes no momento da finalização, apenas por isso.

Na parte defensiva, uma sincronia muito boa entre Bustos e Johnny, com Gabriel tomando conta do meio. O Cuiabá sequer veio para atacar, e a estratégia era ganhar tempo com Deyverson no chão em cada esbarrão. Lamentável que se permita um jogador fazer isso, e mesmo que o jogador se permita fazer isso.

Mas o gol não saía. Wanderson, Alemão, Alan Patrick erraram chances que não se pode perder. Nem mesmo uma falta daquela distância se bate por cima da barreira. Mas o que vi foi um Inter atacando de forma organizada, sem desespero, articulado, com Maurício e Alan Patrick se entendendo bem, com Johnny e Maurício se entendendo bem. Em vários momentos, os zagueiros estavam dez passos na frente a linha do meio campo, até porque o Cuiabá nem opção de velocidade tinha.

O Inter arrefeceu nos dez minutos finais do primeiro tempo, e o Cuiabá se retraiu ainda mais.

No intervalo, achei que Mano cometeu o primeiro erro ao sacar Wanderson. O time estava bem, o lado esquerdo estava bem, e Wanderson estava construindo jogadas com Renê, Alan Patrick e Alemão. O Ingresso de PH poderia ter sido na vaga de Johnny, embora entenda que não deve ter sido uma troca treinada, e isso poderia prejudicar o time. Achei que Mano poderia ter insistido no que estava dando certo e apostar no acerto da finalização.

O time voltou pior, mais nervoso e desequilibrado, jogando só pela esquerda. Aí Mano comente o segundo erro, colocando Edenílson. Johnny se apresentava para jogar, Edenílson ficou, novamente, entre os marcadores, sem opção para receber a bola, e sua condução no meio se limitou a passes laterais sem deslocamento. Como segue se recusando a marcar, Bustos ficou sobrecarregado, sem atacar, sem cobertura.

Mano inverteu PH de lado com Maurício, e por ali saiu o gol quando o Inter já caminhava para o desespero. O gol salvou Mano também, que já tirava Maurício e Alan Patrick, e errou novamente ao manter a substituição com a vantagem.

O resultado disso foi um Inter completamente diferente dos melhores 30 minutos iniciais, e passou a tomar sufoco de um Cuiabá sem qualidade. Se antes o Inter tinha a bola e sabia o que fazer com ela, passou a não ter a bola e não saber como marcar.

Estevão não é meia atacante, é habilidoso, mas sempre jogou pela direita, na função do que fez Edenílson. Colocá-lo aberto na esquerda anulou um jogador, o sobrepôs a Taison, e nenhum sabia quem marcar e como.

Taison e Edenílson erraram tudo o que tentaram, mais por não tentar do que por fazer alguma coisa. Infelizmente, são dois pesos mortos que o time vai ter que carregar até o final da temporada, porque sequer vontade tem de jogar.

Com dois a menos, mas estruturados como se estivesse com 11, o Inter cedeu espaço, cedeu a bola e correu riscos desnecessários, incompatíveis com o que foi o primeiro tempo.

Eu tenho uma dificuldade imensa em torcer contra o Inter, mas confesso que fiquei titubeado na marcação do pênalti do Edenílson. No estádio, sem imagens, a agonia foi grande, e eventual confirmação do pênalti sacramentaria a saída de Edenílson do clube, mas o VAR consertou o erro do árbitro, e não o erro grave do Edenílson.

No fim, Mano ainda teve tempo de errar mais uma vez, colocando Liziero, tirando o que segurava um pouco do Cuiabá no seu campo.

No final das contas, valem os três pontos, e vale um time com alternativas de construção quando não precisar se defender muito. Os trinta primeiros minutos foram de time propositivo, equilibrado e inteligente, mas que falhou nas conclusões.

Espero que tenha sido novo aprendizado, e que Mano entenda que não dá mais pra contar com alguns jogadores. Abel cometeu o mesmo erro na reta final em 2020, achando que recuperaria Uendel e que Lucas Ribeiro era suficiente. Espero que Mano não cometa o mesmo erro tentando recuperar jogadores nessa reta final.

Alemão é jogador decisivo, com todas suas deficiências. Vitão não está deixando saudades de Bruno Mendez, mesmo sendo difícil falar da defesa em um jogo desses.

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

Author: Mauro loch

Share This Post On