A PRISÃO DE ODAIR | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

A PRISÃO DE ODAIR

Em 1974 a Holanda apresentou um futebol revolucionário na Copa do Mundo, embora sem o título, a laranja mecânica encantou os teóricos e práticos do futebol com uma movimentação acelerada de todos seus jogadores, sem, propriamente, guardarem posição.

Guardiola montou um Barcelona baseado em muitos toques de bola e movimentação de seus jogadores, embora dispusesse de mais gênios da bola que a Holanda de 74.

O Futebol evoluiu e alguns clássicos esquemas táticos foram substituídos por outros, que também foram substituídos por outros, e é impossível dizer qual deles será ou seria o melhor, ainda que para uma ou outra equipe, para um ou para outro conjunto de jogadores. Mas é fato que Messi sucumbe na seleção no mesmo tempo que brilha no Barcelona, e alguns jogadores desaparecem em determinados esquemas táticos, outros sobressaem.

No Brasil, jogadores de futebol viram técnicos, historicamente, mas esse fato tem sido alterado, ou acrescido, por formação teórica dos comandantes da casamata. O que antes era intuitivo, passou a ser escrito, estudado e difundido, enfim, ensinado. Claro que tivemos apenas teóricos comandando as casamatas em anos anteriores, mas o número de teóricos aumentou muito, ainda que vários deles ainda sejam provenientes da aposentadoria como jogador de futebol.

Como tudo na vida, o problema da questão teórica é a prática. Aí a teoria pode ser provada, ou não. Esse é o diferencial do sucesso da acumulação de conhecimento  teórico, e, no futebol, em modesta opinião, saber quando a teoria não se aplica ao caso.

Acho difícil alguém não se encantar com as ideias de Fernando Diniz, ou mesmo do nosso craque Falcão. Aqui, a imprensa babou a cada palavreado explicativo de Roger, e a imprensa nacional demorou para fazer chacota do histrionismo do Tite. Na prática, contudo, nem sempre a teoria se aplica.

Odair é um reflexo disso. Neófito, mas estudado, usa os termos dos manuais e aplica as teorias dos manuais. Utiliza treinamentos modernos e usa os esquemas que os grandes times da Europa usam, mas a teoria não tem funcionado. O que falta a Odair entender é que, por exemplo, Guardiola sem Messi, joga diferente. Isso significa que a teoria deve ser adaptada ao conjunto de práticos que Odair dispõe, e não adaptar os práticos ao que aprendeu nos manuais.

Considero Guinazu um grande jogador, e um dos melhores volantes que tivemos, mas se jogar aberto pela direita, seria um desastre, e Odair tem repetido desastres por insistências equivocadas.

Isso sem falar em jogadores ruins, mas é assunto para outro post.

O que se viu ontem foi algo parecido com um 433, que em seguida virou 424, e a prisão a que Odair submete a maior parte dos jogadores do meio para frente, torna o time enfadonho, previsível, e mesmo jogadores talentosos desaparecem na  fila indiana do refeitório.

Odair claramente estabelece limites territoriais aos jogadores, em nome da tática e recomposição. D’Alessandro pela direita, Neilton pela esquerda, Sobis centralizado, Nonato como meia pela direita, Sarrafiore como meia pela esquerda. Desses, só D’Ale tem liberdade, ou desobedece.

Neilton tem apenas duas boas jogadas em todo o tempo que ficou em campo, uma fechando na área, outra pela direita. Em todo o tempo que atuou no Inter, acho que tem apenas um boa jogada pela esquerda, no gol do Pedro Lucas contra o Juventude. Sarrafiore entrou a dribles pela direita em seu primeiro jogo, e ontem foi confinado a um espaço que também era ocupado por Neilton, de uma forma que ambos não trocaram passes no ataque, só laterais e defensivos. Um lado de ataque perdido, e uma marcação deficiente que quase custa o gol de empate no começo do segundo tempo.

Nonato, elétrico e participativo, também ficou confinado, perdendo criatividade. Odair também restringe Nico, W. Silva e qualquer talento que precisa de campo para criar. Só D’Ale escapa, ou desobedece.

Aí fica mais fácil marcar o Inter, pois não haverá vantagem numérica pela aproximação de um jogador “do outro lado” do campo, e facilita identificar o espaço e o lado do drible do jogador. Por isso o jogo foi chato, burocrático, mesmo com três talentos de criação, mais Sobis.

Isso sem contar na Daledependência, desta vez traduzida na necessidade de os jogadores procurarem D’Alessandro em campo, mesmo  que não seja a melhor opção. Aliás, é cada vez mais difícil ver um dos meus ídolos sem explosão em campo, ainda que seu nível técnico seja elevado. Mas Sarrafiore e Nonato pagaram o pato.

Não quer dizer que o Inter foi mal, mas, para desespero do nosso companheiro de blog Pedrinho, era o Aimoré, que pouco ofereceu em termos de resistência ou ataques. Mesmo contra um time bem mais fraco, o Inter teve grande dificuldade de criação, de passes e de jogadas de área. Mesmo com quase todos os jogadores tendo finalizado algum ataque, não se viu um time com trocas de movimentação e inversões. Em exemplo simples, não se viu Iago tabelando com Pottker pelo lado direito do ataque.

Odair precisa entender que alguns jogadores mais técnicos precisam de espaço, e de inovação, e não apenas uma faixa de gramado cercada. Óbvio que esse posicionamento favorece a recomposição, mas tem matado o potencial de muitos jogadores do time,  e, com isso, o próprio desempenho coletivo.

Com isso passo a dizer que Daniel fez seu trabalho, Bruno segue incompreensível que tenha chances, e que gostei da dupla Roberto e Emerson, embora Roberto tenha se desestabilizado com o cartão. Lindoso é muito pior que Dourado e lento, Nonato errou passes simples mas foi um dínamo no time, e precisa jogar com Edenilson. Sarrafiore pareceu desinteressado, mas melhorou quando teve mais espaço e liberdade, e ainda fez gol. Neilton na esquerda é jogador de lampejos, e Camilo e Trellez não deveriam ter entrado. D’Alessandro se movimentou, criou, quase não erra passes, mas perdeu um pouco de sua efetividade, e isso faz falta. Não gostei de Sobis na posição, parece desperdício, mesmo com um golaço e a jogada do primeiro gol. Wellington Silva entrou muito melhor que Neilton, embora o Aimore estivesse na fase em que acreditava poder fazer um gol.

Avatar

Author: Mauro loch

Share This Post On