Devaneio ou quebra de paradigma? | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

Devaneio ou quebra de paradigma?

Confesso, não passava pela minha cabeça (provavelmente na de ninguém, ou quase ninguém) chegar em outubro de 2018 com chances reais de conquistar o Brasileirão.

É possível argumentar que o discurso empregado pela direção e gestão atual do clube “impregnou” esta mentalidade no âmago do torcedor colorado, com inúmeros e enfadonhos discursos sobre “ano de reconstrução”, principalmente na figura do vice-presidente de futebol, Roberto Melo. Sim, este sem dúvida é um ponto relevante, principalmente no quesito “ambição”, pois fala diretamente ao torcedor quais são as reais metas do clube para o ano.

O outro argumento refere-se aos resultados de campo… Um vice-campeonato da série B (mesmo com elenco “multimilionário” para tal nível de competição), eliminações precoces no Gauchão (com significativa inferioridade técnica em relação ao coirmão) e Copa do Brasil (para o limitado Vitória) atestavam contra qualquer expectativa de vôos mais altos no difícil campeonato nacional.

Somam-se a este cenário um elenco que não empolgava, com deficiências reconhecidas em importantes setores, para além de reforços que passavam longe de empolgar… O cenário, para alguns, era inclusive em brigar para não cair…

Os primeiros jogos do campeonato inclusive apontavam para este cenário desolador… Tudo bem que a tabela reservava os jogos mais difíceis logo de cara, mas o Inter começava a enamorar-se da zona do Z4 de maneira preocupante. Até que chegou o Grenal, um divisor de águas na campanha colorada, onde o time começou a se acertar e as expectativas foram revertidas completamente.

Nunca na historia do campeonato brasileiro uma equipe recém promovida da Série B conquistou o título da Série A… Nunca na história da competição por pontos corridos a taça de campeão ficou no Gigante da Beira-Rio…

Para colocar a faixa no peito, não são apenas as marcas acima que devem ser quebradas.. É necessário romper com um paradigma que se instaurou na mentalidade colorada e hoje é um obstáculo que, senão intransponível, parece uma barreira psicológica… Me refiro a sina de “ressuscitar mortos”..

Sabe aquele jogo quando a equipe vem embalada, com chance de assumir a liderança (ou ainda abrir vantagem pros demais adversários) contra o vice-lanterna? Contra a equipe em crise? Contra o time que não vence a “n” jogos? Contra a equipe que trocou de treinador e está no Z4?

Pois bem… Estes são os jogos contra os Américas-MG e Chapecoenses da vida… E agora contra o Sport

O Sport tem “A” pior campanha pós-copa (1V, 2E, 12D):

No referido período, Sport fez míseros 8 gols em 15 jogos (pouco mais que 0,5 gol/jogo), com retrospecto em casa de 1v (Paraná), 2E e 4D. Adicionalmente, o clube nordestino terá inúmeros desfalques (lesões, cartões e mais os atletas colorados que estarão impossibilitados de jogar pelo acordo de cavalheiros)…

Isto significa que o jogo será fácil?

Muito pelo contrário! Mas se a equipe quer ser campeã, não há alternativa senão vencer.

Uma vitória provavelmente signifique a retomada da liderança (aposto em vitória ou empate do SP contra o Palmeiras no Morumbi) e embalaria o time de maneira decisiva para uma sequência de 2 difíceis jogos no Beira-Rio (SP e Santos). No pior cenário, como joga primeiro que seus rivais, transfere a responsabilidade pros mesmos no embate de sábado.

Animicamente e psicologicamente, seria uma importante conquista, a superação de um fantasma que insiste em roubar preciosos pontos que muitas vezes fazem uma falta tremenda…

Não sei precisar qual é a raiz do problema para estes confrontos “supostamente” menos encardidos… Falta de concentração, a necessidade de um estilo de jogo propositivo, o peso da responsabilidade de vencer, um relaxamento natural ou até mesmo soberba… Talvez todos estes itens, em menor ou maior proporção.

A verdade é que passam treinadores, jogadores, direções, e o problema permanece… O que denota certamente um problema com raízes mais profundas do que parece à superfície.

Do sonho do título à concretização, reitero, só há um caminho: vencer! Para isto o Inter precisa enfrenta seus fantasmas e suas crenças limitantes, e finalmente exorcizar seus demônios.

Não tomar gol é a chave deste confronto, e não pode acontecer como contra Chapecoense e Corinthians onde o clube saiu na frente mas não conseguiu manter o resultado. Alias, a equipe tomou gol nos últimos 3 jogos, algo que só tinha acontecido anteriormente nas rodadas 11 a 13 (Santos, Vasco e Atlético-PR).

O mais lindo do futebol é que a história pode ser reescrita a qualquer momento, a cada 90 minutos.

Esta é a oportunidade em causa, ímpar, e que cujos 3 pontos, se conquistados, podem ser o fiel da balança na campanha colorada, e que pode permitir a este grupo de jogadores entrar na história do clube com uma conquista que seria muito importante no processo de retomada dos títulos.

Se esta for a mentalidade e a entrega, as chances de vitória são grandes…

O que será esta sexta-feira?

@Davi_Inter_BV

Author: Davi

Share This Post On