Avenida | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

Avenida

Reforço para segundo semestre?

Será que é tão difícil achar um bom lateral hoje em dia ou nós que somos exigentes demais? Talvez os resultados mostrem que o problema não seja o nível de exigência, mas a categoria de quem farda para jogar em nossas alas. Alguém lembra o nome do último lateral que não causou arrepio ou “poréns” mentais ao vermos seu nome na escalação?

Na ordem em que aparecem no site do clube o Dair tem a disposição para as laterais: Bruno Vieira, Dudu, Heitor Fonseca, Iago, Uendel, Zeca. Na realidade nosso problema é ambidestro, tanto na direita quanto na esquerda achamos que a rapaziada não está contribuindo com o que esperamos. E o que esperamos de um lateral?

Eu quando vejo alguns jogos…

Correr, chutar, cruzar, marcar e armar é o mínimo. Nos dias de hoje o lateral atual mais parecido com os alas no basquete, compondo tanto a defesa quanto articulando o ataque. Foi-se o tempo dos pontas, hoje em dia espera-se que um lateral seja polivalente e com qualidade em todas as funções do futebol e, de preferência que tenha cérebro, pulmão e coração. Porque é o cara que tem de estar ligado o jogo inteiro e provavelmente é um dos jogadores que mais corre durante a partida.

Mas acho que antes de delinear o que esperamos de um lateral é preciso ver o que um lateral tem de encontrar em campo para que consiga desenvolver-se melhor no desenrolar do jogo. Vamos pegar o exemplo do Cuesta. Puxando pela memória, antes da chegada do Moledo ele era apenas um bom zagueiro. Agora, ao lado do homem-ambulância ele tem jogado o fino da bola sendo considerado um dos melhores da posição no país. Isso leva para a percepção de que tão importante quanto as habilidades próprias, é fundamental para o resultado final o quanto teus colegas não te atrapalham em fazer o seu trabalho, o quanto o mal desempenho dos teus pares não afetam o teu desempenho (e vice-versa, obviamente).

Então, o que precisa um lateral para ser a melhor versão dele mesmo? Uma zaga que não te deixe vendido e deixe que teu setor vire uma avenida quando precisa subir ao ataque (check: temos), um ataque eficiente que possibilite a criação de jogadas de forma rápida e mortal (com Guerrero? Check: temos).

Por fim, e, talvez, o mais importante é o meio-campo que deve ter condições tanto de articular para o ataque quanto recompor com a defesa montando (e revezando) com os laterais a movimentação do jogo e o jeito que a bola é tocada (quando nos pés do time) ou perseguida (quando com o adversário) tudo isso de forma rápida, agressiva, surpreendente e inteligente. Acho que nisso pegamos recuperação, muitos jogos o desempenho do meio-campo do time não passa por média e isso reduz o desempenho do time.

Eu também usaria a 88, também pareceria gordo… só não sei se usaria esse bigode.

Eu gosto muito do jeito que o D’Alessandro joga… Mentira! Muitas vezes não gosto do jeito que o D’Alessandro joga. O que eu gosto mesmo é da habilidade dele. O jeito que ele toca e domina la pelota durante o “xogo” é impressionante. Nisso temos dois problemas, o primeiro é óbvio é que não encontramos alguém para assumir o posto de comandante técnico do meio-campo do Inter que já teve Falcão, Batista… Montamos o time para jogar em função do maestro argentino, seja em suas virtudes quanto em suas deficiências. Ele pode jogar ainda? Deve! A maioria dos jogos? De jeito nenhum! Se eu fosse “o Dair” eu escalaria ele só em Porto Alegre e levaria ele vez ou outra para viagens tranquilas, tipo jogar no Rio, São Paulo, Santa Catariana e Paraná (isso no caso do Brasileirão)  e em jogos chave… no máximo um jogo por semana.

Eles aprovam a minha ideia

A gente precisa qualificar ainda mais o meio-campo. Quando falo em qualificar não estou necessariamente falando em cortes ou contratações que, a essa altura da temporada, serão pontuais. Qualificar fisicamente e mentalmente. Não podemos admitir que atletas profissionais caminhem em campo ou que pensem que empate está bom. Oh! Dair! Treina mais essa rapaziada! Eu acho que treinam pouco? Não. Mas pra chegar ao nível de excelência a última fronteira é quase suar sangue. Todo treino ainda é pouco! Isso de dedicação e foco é coisa que o dinheiro não compra (vide galácticos). Mas, todo o esforço, cedo ou tarde, reflete em resultado.

 

Cristian

Author: Cristian

Brasileiro! Não desiste nunca...

Share This Post On