El Chacho

0
(0)

Tivemos nós Colorados que esperar até o último ano de gestão de Marcelo Medeiros (de um total de quatro) para somente então ver apresentado um técnico de verdade ou, ao menos, com o tamanho do Sport Club Internacional. Aliás, desde a década de 1990, pelo menos, treinadores sem muita expressão nunca deram certo por aqui, motivo pelo qual a insistência em medianos deu no que deu.

Enfim, chegou o técnico. Enfim, chegou Eduardo Coudet. El Chacho. Ele mesmo, dada a questão da pronúncia correta do seu sobrenome, fez questão de ser indagado pelo apelido.

Seu método de futebol intenso, linhas bem definidas em campo e a busca do gol já é um bom cartão de visitas. Mas, obviamente, sua entrevista trouxer alguns apontamentos proveitosos, inicialmente pelo motivo que lhe trouxe ao Inter:

“Escolhi o Inter por ser uma equipe passional. Eu gosto de equipes passionais. Eu gosto dessa loucura do torcedor que vive, defende, e está sempre pensando nas cores da camiseta.”

Falou também para nós, torcedores:

“Para sermos protagonistas, vamos precisar muito da torcida. Não tenho dúvida que vamos montar uma equipe que represente a história do Inter e sua gente. Que jogue igual dentro e fora de casa”

“Foi uma surpresa linda o que encontrei no aeroporto ontem. Única maneira que posso retribuir é trabalhando. Não vai faltar trabalho e gana. Vamos honrar a torcida do Inter”

O interessante é que ao ser questionado sobre o esquema de jogo que pretende adotar, deixou claro que não existe uma conta matemática definitiva, devendo a questão tática se amoldar a realidade do plantel. Outrossim, abordou a questão do uso da base:

“Não busco jogadores pela experiência ou juventude. Busco pela necessidade que teremos. Usei jovens no Rosário porque tinham jogadores como Lo Celso, Cervi e outros. Comigo jogará quem está melhor. Independente da idade”

“Estou olhando bastante para os jovens do Inter. Quero ver alguns jogos deles. Especialmente aqueles que estão próximos de ter uma chance no profissional. A bola não pede documento de identidade para jogar. Se eles merecerem, vão jogar”

E desta última passagem é que destaco a frase mais importante que ouvi, ontem, em sua coletiva de apresentação:

“A bola não pede documento de identidade para jogar”.

El Chacho demonstrou em suas palavras estar ambientado com a realidade do futebol brasileiro e do próprio Internacional. Aliás, vale destacar que seu castelhano era de uma perfeita compreensão, mostrando até nisso restar mais globalizado. Digo tudo isso para apontar que ele sabe sim dos problemas impostos por nossa direção para aproveitamento de jovens no time. E se ele falou isso, dando um tapa na cara nos que estavam sentados ao seu lado, além daquele bando de Conselheiro desocupado que estava lá assistindo, significa que, enfim, efetivamente temos um técnico com culhão.

Se vai dar certo eu não sei, mas sei que o caminho tende a ser muito mais fácil do que vem sendo até agora. E isso é um bom começo.

Seja bem vindo, Chacho! Que sejamos campeões!

A propósito, alguém lembra de alguma festa na chagada de um treinador como agora?

How useful was this post?

Click on a star to rate it!

As you found this post useful...

Follow us on social media!

Author: Bruno Costa

Share This Post On