TESÃO | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

TESÃO

 

Pessoas tendem a ser malvadas pela própria natureza. Falo por mim: muitas vezes sou cruel e na maioria das vezes, comigo mesmo.

“Let it be” (deixa estar) cantavam os Beatles em 1970. Deixa estar digo mentalmente e às vezes em voz alta, ao me olhar no espelho do elevador, a propósito de tudo ou de quase nada; aproveito e constato que devo perder alguns quilos (muitos na verdade) mas o “deixa estar” é mais forte. Além disso a pessoa que me olha no espelho do elevador (quem será? é muito parecida com alguém que conheço!) certamente não é  a mesma que cantava “Let it be” em 1970, pois aquela era magra, tinha cabelos longos e bigodes fartos.  Essa que me encara ali é tudo menos isso. Porque acreditar em um estranho?

Mas ao sair do elevador e deixar para trás o inquietante espelho volto ao “malvadas pela própria natureza”. E me dou conta de que sábado e domingo são os dias para escrever o post do BV. Esse mote é perfeito para o propósito: vem comigo.

O Inter tem nesse momento na gloriosa e charmosa Série “B” o ataque mais eficiente. E estou descontente. Sou malvado.

“Puxa Airton, tu és também um pé no saco”, falou o grilo falante, antevendo o que o improvável leitor do BV irá dizer.

“Sou né?” digo ao grilo, adotando a técnica de concordar para desarmar o discurso do oponente. E sigo impávido e não tão colosso: é isso aí (o ataque mais produtivo para quem esqueceu o assunto) mas poderia ser bem mais contundente. Explico meu ponto de vista, discutível por supuesto mas sempre meu ponto de vista.

Falta ao Inter tesão no ataque para massacrar o adversário; sou a favor de sangue nos olhos e espuma escorrendo pelos cantos da boca. Mas somos burocráticos e acomodados ao que o “professor” (ou quem manda nele) determina. Contra o Paysandu – mesmo que houvessem dois pênaltis claros sonegados pela incompetência desses árbitros que são carecas (esse é outro bom tema: relação entre competência e cabelos) – o Inter cerca, mantem a posse da bola mas não amassa, destrói, apavora, cria confusão na área, provoca erros, faltas, mais cartões, leva ao desespero os adversários e gera mais penalidades máximas (tá, tá; sei que quando as provoca não marcam…). Ganha por que é muito mais time que esses limitados e esforçados clubes da pobre Série “B”. Mas, falta algo….

Fiz uma pausa para olhar o grilo que suspira ao meu lado e prossigo.

Estou convencido de que treinadores não sabem o que fazem e nem porque o fazem. Isso é: porque ganham? Porque perdem? Porque empatam? (creio que não há outra possibilidade de resultado em um jogo). Não sabem, daí a insistência em marginalizar Camilo na ponta esquerda, não dando liberdade a ele de se movimentar. Ou as opções por jogadores que decididamente não rendem o que deles se espera (Uendel, Sasha, Carlos). Tem ainda a questão dos meninos que mofam a bunda no banco de reservas, vendo desfilar em campo prodígios de nulidades. Não sei se jogam melhor ou pior que os inúteis e creio que ninguém sabe: isso porque simplesmente não jogam e ninguém sabe o que podem ou não fazer (um dia escrevo sobre o sub-23… um celeiro de negócios).

Sei que futebol não é ciência exata para que treinadores consigam saber até mais ou menos o que ocorre, mas existem comportamentos da mente humana que também explicam algumas coisas.

Li há pouco na FSP, edição desse sábado,  na coluna do Helio Scwartsman isso aí e me dei conta: esclarece o “não sabem” e as insistências equivocadas. É o comportamento humano atuando, no fascinante show da vida.

O “Gordinho” (isso é bulling?) tem a mente presa pelos acontecimentos; ganhou assim? Repete isso à exaustão e não muda porque sua mente não lhe permite. Não ousa, não altera, ficou congelado no tempo e no espaço. Como nós torcedores sempre sabemos o que é bom, quem é a naba, qual a ferida braba? Porque estamos fora do perímetro do campo (lindo isso: perímetro!) e pensamos com a emoção do apaixonado mas sem o envolvimento direto com os fatos, com alguma dose de razão.

Quem joga xadrez sabe que uma boa prática é, durante a partida, levantar e olhar o tabuleiro de lado, mudando o ponto de vista. Se tem outra perspectiva e se vêm coisas que na posição anterior não se constatavam.

Não estou defendendo “A”, “B” ou “G” (de gordo) mas isso é neurociência e assim caminha a Humanidade. Treinadores não só não sabem como não podem. Por isso, deixa assim. O time e seu desempenho está de bom tamanho para o objetivo atual; o amanhã é o amanhã.  Com tesão ou sem.

Enquanto o amanhã não chega, divirtam-se com essa criatividade. Quem bola isso é um gênio, não um bitolado e quadrado. Essa gíria é da década de 60, onde tinham essas outras como papo firme (conversa séria), papo furado (conversa boba), pé de chinelo (pessoa sem expressão),  pode vir quente que estou fervendo (excitada), pra frente (moderno), sifu (deu-se mal).

 

Avatar

Author: Airton Kwitko

Share This Post On