Jogo difícil | BLOG VERMELHO : Sport Club Internacional

Jogo difícil

Tempo de Leitura: 3 Minutos

Comento Inter X Caxias: sábado à noite.

Jogo difícil: difícil de se ver. O plantel melhorou em relação ao ano passado.

Bem, dito isso, passemos ao treinador, o Sr. Antonio Carlos Zago, carinhosa e popularmente conhecido como Zago. Ele foi razoável, na medida do esperado. Até porque de onde menos se espera, dali é que não sai nada mesmo, como dizia o Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, mais conhecido como Barão de Itararé.

O Sr. Zago estava bem vestido, diria até que extremamente de acordo com o ambiente de jogos, pois seu look era de um estilo despojado, bem como convém ao esporte: desambicioso, simples, enxuto, descontraído, relaxado, informal, largado. Ao menos, em tudo e por tudo de acordo com o tipo de jogo que o Inter pratica: um despojamento com todas as características da indumentária da citada pessoa.

Poucas vezes se observa tanta sintonia fina entre os que estão dentro do campo e o que fica à margem, olhando.

O despojado é uma tendência da moda. Adotar o estilo despojado não significa se vestir mal. É necessário ressaltar que optar por um visual menos formal  não é o mesmo que se descuidar.  Há que se ter cuidado nos detalhes do que vestir: a aparência é tudo. E um treinador deve preservar a qualidade de aparentar mesmo e principalmente o que não é.

Já tivemos aparências de treinadores ou treinadores de aparências para todos os gostos: desde o Abel  overweight, o ireverente Dunga, Argel o desleixado e Roth, o alegre. Mas nunca antes nesse time apareceu alguém como o Sr. Zago.

O vestir despojado exige coragem e convicção e o Sr. Zago demonstrou ter ambas características quando retirou do campo de jogo o melhor atacante (o Sr. Nicolás Federico López) ao invés de outro que não estava nos seus melhores dias, talvez por ter sido o jogo à noite (Sr. Brenner Marlos Varanda de Oliveira).

E ao agregar ao jogo o Sr. Wanderson Ferreira de Oliveira confirmou a sua bravura, intrepidez e arrojo. O referido atleta, portador de vasta cabeleira, empolga por ela e somente por ela. Quem se não ele – o mago bem vestido – poderia ter tido tão supimpa intuição?

Poucos treinadores no mundo – sim, no mundo – teriam essa ousadia. Mas esse é o nosso Sr. Zago (permitam-me a utilização do “nosso” pela emoção que me acomete no momento; uma furtiva lágrima me impede de teclar…. Pronto! A sequei.)

As ousadias são complementadas pela elegância que a tudo e a todos redime. A opção pelos diversos tons de cinza da calça estonada harmonizaram muito bem com o negro do blazer desestruturado e da gravata também negra displicentemente afrouxada (atentem para a combinação perfeita do negro com o negro: gênio, gênio!). A camisa usada para fora da calça foi outra escolha acertada e mais: estava na medida certa em relação ao blazer e à gravata.  A escolha do tênis preto deu ao conjunto uma leveza condizente com o todo e com o cenário: um campo. Campo esse que, pelas aparências, não deve ser o local onde melhor transita o Sr. Zago.

Treinadores usam e, até porque não dizer, abusam da obviedade ao vestir alguma roupa da cor do clube, seja ela a cor que for. O nosso, de forma consciente ou não, prefere o negro e dizem que essa sempre foi sua cor favorita. Ousadia e criatividade: nosso Zago as tem de sobra (agora sou quase íntimo dele).

Deixo que comentários sobre o jogo sejam feitos por outros colunistas que entendem disso que chamam de futebol, pois o que vejo nos jogos do Inter é outro esporte, seja ele que nome venha a ter. Assim, não tenho como comentar…

Sorry e ademã, que eu vou em frente. By.

(Fecha o pano).  Pausa……

(Abre  o pano). Outro cenário:

Parte de uma “conversa” no blog entre Junior Vieira e Leonardo Moraes:

“Acho que o BV é um termômetro do que é o Inter; estamos na pior fase da história do clube desde o segundo semestre de 2015, tendo seu ápice em 2016 e agora parece que as coisas estão começando a “despiorar” (kkk essa foi pra doer), sendo assim é compreensível uma queda no blog, tanto no texto dos posts (e isso não se deve aos colunistas que são bons, mas pela falta de assuntos ou a repetição dos mesmos, culpa do próprio Inter) quanto nos comentários, pois tá todo mundo de saco cheio, alguns mais otimistas que outros, mas todos machucados pelos últimos anos”.

(Fecha o pano). Pausa em que as tensões aumentam:

Junior, grato pelo elogio aos colunistas e pela compreensão quanto à falta de assunto. Falar do jogo para dizer o quê? O vestuário do treinador é tema mais importante, isso é um fato. Aliás, em Portugal “fato” é “terno” ou uniforme de jogadores. Mas por aqui, a falta de assunto é um fato mesmo.

Facebook Comments

Author: Airton Kwitko

Share This Post On
Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com